sexta-feira, 20 de março de 2009

Sem altar não acenderemos velas


Com preconceitos não teremos vida

Santos mal vistos julgando-nos loucos

Ousadia dos mortais, querendo nos intitular

Marcando-nos com um código não natural


Do Gênese produziram o Apocalipse

Reproduziram tudo

Falaram que não podiamos amar

Pura reprodução, para mão de obra


Força se comprada é de ouro

A nossa ficaria em segundo lugar?

Nossa existência não separa

Nossa alma é de afeto


O preconceito? Cultural!

Construido por algum a lucrar

Gritem: Não aceitamos isso!

Somos vivos como vocês


És ser pensante? Livre arbítrio então!

Escolhas, construções, identidade, genética

Não precisamos de tantas explicações

A vida tem suas diversidades

Mas porque a nossa diferença nos impede?

Também queremos poder viver

3 comentários:

  1. Thank you, I write to convey the feel and the different forms of pleasure, the fight for the dignity of being different

    ResponderExcluir
  2. Eitá fazia era tempo que não passava aqui. Saudades desses textos agressivos...
    parabens.

    ResponderExcluir